Licença Creative Commons

Seguidores

Pessoas que gostam de Animais

domingo, 13 de setembro de 2015

Queixada

Nome em inglês: White-lipped Peccary.

Nome em espanhol: Cariblanco, Chancho de Monte e Pecari de Labios Blanco.

Distribuição geográfica: Ocorre no México, Costa Rica, Belize, Guatemala, Nicarágua, Panamá, Honduras, Colômbia, Peru, Venezuela, Bolívia, Equador, Brasil, Paraguai, Suriname, Guiana, Guiana Francesa e Argentina. Sua faixa de distribuição vai do sudeste do México até o norte da Argentina.

Descrição física: O comprimento da cabeça e corpo vai de 90,5 a 139 cm e o da cauda de 1 a 6,5 cm. A altura do ombro vai de 40 a 60 cm. Seu peso é entre 45 a 40 kg. Apresenta coloração que varia de acordo com a região geográfica, podendo ir de preto a marrom escuro. Tem pelos brancos na região da mandíbula.

Alimentação: O queixada é onívoro podendo se alimentar de frutas, sementes, folhas, raízes, insetos, minhocas, ovos, pequenos mamíferos, peixes, anfíbios, serpentes e carniça. Alimenta-se principalmente de frutas. Consome frutos e sementes de mais de 114 espécies de plantas de aproximadamente 38 famílias.

Hábitos: Tem hábitos gregários, formando grupos que variam da quantidade de indivíduos, podendo chegar até mais de 100. Em algumas épocas do ano, em determinadas regiões, os grupos tendem a se dividir em grupos menores. O queixada é diurno tendo uma tendência a ter atividade na manhã e a tarde.

Habitat: Vive em uma variedade de habitats. A maior parte de sua distribuição está em florestas tropicais úmidas, mas também pode habitar florestas subtropicais secas, savanas, chaco, pantanal, caatinga e até mangues costeiros. Tende a viver próximo a água, podendo até ir até forragear em praias. Pode ocorrer do nível do mar até 1.900 m nas encostas orientais dos Andes.

Predadores: Dentre seus predadores encontram-se onças pintadas (Panthera onca) e pumas (Puma concolor).

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que dura aproximadamente entre 156 até 162 dias. Na maioria das vezes nascem gêmeos, mas podem nascer também de 1 a 3 filhotes.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Tayassuidae;
Gênero: Tayassu;
Espécie: Tayassu pecari (Link, 1795).























Foto: Bernard DUPONT https://www.flickr.com/photos/65695019@N07/6782072719























Foto: Bruno Cesar (Bruno Chaves Animais) https://www.flickr.com/photos/94289569@N05/12393616284/



























Ilustração Geraldo França http://birdsofbrazil.blogspot.com.br/




















Foto: Smithsonian Wild https://www.flickr.com/photos/smithsonianwild/5177597986/ 

Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/41778/0 Acessado em 13/09/2015

Taber, A. B; Altrichter, M; Beck, H; Gongora, j. (2011). Family Tayassuidae (Peccaries). P. 306-307 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona. 

Eisenberg, J. F; Redford, K. H. Mammals of the Neotropics, Volume 3 : The Central Neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. Chicago, Londres: Chicago University Press, 1999, P. 334-355. 

Keuroghlian, A., Desbiez, A.L.J., Beisiegel, B.M., Medici, E.P., Gatti, A., Mendes-Pontes, A.R., de Campos, C.B., Tófoli, C.F., Moraes Jr., E.A., de Azevedo, F.C., de Pinho, G.M., Cordeiro, J.L.P., Santos Jr, T.S., de Morais, A.A., Mangini, P.R., Flesher, K., Rodrigues, L.F., de Almeida, L.B., 2012. Avaliação de risco de extinção do queixada, Tayassu pecari Link, 1795, no Brasil. Biodiversidade Brasileira. 3, 84–102. 

Jácomo, A.T.A. 2004. Ecologia, manejo e conservação do queixada Tayassu pecari no Parque Nacional das Emas e em propriedades rurais de seu entorno. Tese. Universidade de Brasília.120p.

quinta-feira, 12 de março de 2015

Cateto

Nome em inglês: Collared Peccary;

Nomes em espanhol: Coche De Monte, Báquiro Cinchado, Pecarí De Collar e Saíno.

Nomes Vulgares: Cateto e Caititu.

Distribuição geográfica: Ocorre nos Estados Unidos, México, Guatemala, Belize, Honduras, El Salvador, Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia, Venezuela, Equador, Peru, Bolívia, Guiana, Suriname, Guiana Francesa, Paraguai, Argentina e Brasil.

Descrição física: É a menor espécie viva da família tayassuidae. O comprimento da cabeça e corpo tem entre 84 a 106 cm e o da cauda até 10 cm. Pesa entre 15 a 28 kg, embora alguns podem chegar a mais de 40 kg.. A altura até o ombro é entre 30 a 50 cm. Apresenta coloração cinza escura pelo corpo, sendo mais negra nos membros e crista dorsal. O cateto tem uma faixa de pelos brancos que se estende do peito até os ombros. Os filhotes tem coloração marrom avermelhada pelo corpo e uma faixa marrom mais escuro escuro no dorso.

Alimentação: Pode se alimentar de frutas, raízes, sementes, tubérculos, partes comestíveis de plantas verdes pequenos vertebrados e invertebrados. Sua dieta varia conforme o habitat, como sendo principalmente frugívoro em florestas tropicais.

Hábitos: Os catetos vivem em grupos que podem ter de 5 a mais de 30 indivíduos. Os grupos se dividem em subgrupos, que durante o dia podem chegar até 3 indivíduos, e se unem no início da manhã e final da tarde.

Habitat: Habita uma variedade de habitats, como florestas tropicais, cerrado, pantanal, desertos, caatinga, chaco, floresta nublada e até ambientes alterados pelo homem. No sopé dos andes o cateto vive até entre 1.000 a 1.500 m, embora já foram encontrados a mais de 2.000 m acima do nível do mar no Equador.

Reprodução: As fêmeas tem um período de gestação que dura entre 141 a 151 dias e podem nascer até 2 filhotes.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Tayassuidae;
Gênero: Pecari;
Espécie: Pecari tajacu (Linnaeus, 1758).





















Ilustração: Richard Lydekker https://www.flickr.com/photos/biodivlibrary/7971648260/in/set-72157631500644110



















Foto: Brian Gratwicke https://www.flickr.com/photos/19731486@N07/4085983018





Foto: Jerry Oldenettel https://www.flickr.com/photos/jroldenettel/8274811260/in/photostream



























Foto: Hillebrand, Steve http://digitalmedia.fws.gov/cdm/singleitem/collection/natdiglib/id/9580/rec/1

Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/41777/0 acessado em 12/3/2015

Taber, A. B; Altrichter, M; Beck, H; Gongora, j. (2011). Family Tayassuidae (Peccaries). P. 305-306 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Eisenberg, J. F; Redford, K. H. Mammals of the Neotropics, Volume 3 : The Central Neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. Chicago, Londres: Chicago University Press, 1999, P. 355.

DESBIEZ, A.L.J. ; Keuroghlian, A. ; BEISIEGEL, B.M. ; Medici, E. P. ; Gatti, A. ; Mendes Pontes, A. R. ; CAMPOS, C. B. ; Tófoli, C. F. ; Moraes Júnior, E. A. ; Azevedo, F. C. ; Pinho, G. M. ; Cordeiro, J. L. P. ; Santos Júnior, T. S. ; Morais, A. A. ; Mangini, P. R. ; Flesher, K. ; Rodrigues, L. F. ; Almeida, L. B. . Avaliação do Estado de Conservação dos Ungulados - Avaliação do Risco de Extinção do Cateto Pecari tajacu Linnaeus, 1758, no Brasil. Biodiversidade Brasileira , v. II, p. 74-83, 2012.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Cervo de Cauda Branca

Nomes em inglês: White-tailed Deer, Key Deer e Key Deer Toy Deer.

Nomes em espanhol: Cariacú, Venado Cola Blanca e Ciervo de Cola Blanca.

Nomes Vulgares: Cariacu, Cervo de Cauda Branca, Cervo da Virgínia e Veado Galheiro.

Distribuição geográfica: É o cervídeo de maior distribuição no continente americano. Distribui-se do Canadá até a Bolívia. Ocorre nos seguintes países: Canadá, Estados Unidos, México, Guatemala, Honduras, Belize, El Salvador, Nicarágua, Costa Rica, Panamá, Colômbia, Venezuela, Peru, Equador, Guiana, Suriname, Guiana Francesa e Brasil. No Brasil é encontrado no norte, acima do rio Amazonas, Principalmente em Roraima e Amapá. Foi introduzido na Nova Zelândia, Finlândia, República Tcheca, Eslováquia e Cuba.

Descrição física: Seu tamanho é variável. Os machos podem pesar de 30 a 130 kg e as fêmeas de 25 a 65 kg. O comprimento da cabeça e corpo pode ter de 120 a 190 cm nos machos e 115 a 150 cm nas fêmeas. O comprimento da cauda é entre 14 a 37 cm aproximadamente. A altura até o ombro pode chegar entre 60 a 105 cm nos machos e 55 a 95 cm nas fêmeas. Também apresenta coloração variável, mas geralmente é marrom avermelhada no verão e mais cinzenta no inverno. Tem também branco no ventre, na garganta, no queixo, no anel ao redor dos olhos, face interna das orelhas, parte inferior da cauda e parte do focinho. Os filhotes nascem com manchas brancas e as tem até de 3 a 4 meses. Os machos adultos tem um par de galhadas que podem atingir de 30 a 60 cm. As galhadas tem um eixo principal e o número de pontas geralmente é de 2 a 4.

Alimentação: Alimenta-se de uma variedade de vegetais, como frutas, gramíneas, plantas arbustivas, sementes, galhos e brotos.

Hábitos: Tem hábitos noturnos e crepusculares. É um excelente nadador. Fêmeas e filhotes podem formar grupos matriarcais. Machos adultos são geralmente solitários, embora podem formar pequenos grupos.

Habitat: Vive em vários tipos de habitat, como Montanhas, florestas temperadas, pradarias, bordas de mata, matagais semi áridos, florestas tropicais, entre outros. No Brasil vivem em áreas abertas com árvores esparsas, evitando florestas densas, tendo preferência pelas suas bordas. Pode viver até mais de 4500 metros acima do nível do mar nos Andes.

Predadores: Dentre seus predadores encontram-se pumas (Puma concolor), lobos (Canis lupus), coiotes (Canis latrans), linces vermelhos (Lynx rufus), raposas, onças pintadas (Panthera onca), jaguatiricas (Leopardus pardalis) e jibóias (Boa constrictor).

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que dura aproximadamente 7 meses. Podem nascer gêmeos ou 1 filhote.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Cervidae;
Gênero: Odocoileus; 
Espécie: Odocoileus virginianus (Zimmermann, 1780).



























Ilustração: Richard Lydekker

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:The_deer_of_all_lands_(1898)_Virginia_deer.png


























Foto: N. & M.J. Mishler

http://digitalmedia.fws.gov/cdm/singleitem/collection/natdiglib/id/6467/rec/6



















Foto: Pflug-Felder, Karen http://digitalmedia.fws.gov/cdm/singleitem/collection/natdiglib/id/11228/rec/1


















Foto: NOAA Photo Library

https://www.flickr.com/photos/51647007@N08/5408301621


Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/42394/0 Acessado em 23/02/2015

Mattioli S. (2011). Family Cervidae (Deer). P. 435 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Eisenberg, J. F; Redford, K. H. Mammals of the Neotropics, Volume 3 : The Central Neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. Chicago, Londres: Chicago University Press, 1999, P. 342-343.

Duarte, J. M. B., Vogliotti, A., dos Santos Zanetti, E., de Oliveira, M. L., Tiepolo, L. M., Figueiredo Rodrigues, L. & Bonjorne de Almeida, L. 2012. Avaliação do Risco de Extinção do Veado-galheiro, Odoicoleus virginianus Zimmermann, 1780, no Brasil. Biodiversidade Brasileira, Ano II (3): 15-19.

Duarte, J. M. B; Reis, M. L. (Org.). Plano de ação nacional para a conservação dos cervídeos ameaçados de extinção. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Icmbio, 2012, v. , p. 27-28.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Veado Mateiro

Nome em Inglês: Red Brocket.

Nomes em Espanhol: Corzuela Colorado e Corzuela Roja.

Distribuição Geográfica: América do Sul. Ocorre no Brasil, Argentina, Bolívia, Colômbia, Peru, Equador, Paraguai, Venezuela, Guiana, Suriname, Guiana Francesa e Trinidade & Tobago.

Descrição Física: A maior espécie vive do gênero Mazama. Pesa aproximadamente até 35 kg, alguns até 65 kg. O comprimento da cabeça e corpo chega até 145 cm e o da cauda 16 cm. A altura até o ombro é de 80 cm. Apresenta coloração Marrom avermelhado. Tem cinza na cabeça e pescoço. Ao nascer, os filhotes tem manchas brancas no dorso. Os machos adultos tem um par de galhadas que não se ramificam e podem atingir até 10 cm.

Alimentação: Alimenta-se principalmente de frutas. Também se alimenta de sementes, brotos, flores, fungos e folhas.

Hábitos: Vive geralmente solitário e tem hábitos territoriais. O Veado Mateiro é um bom nadador.

Habitat: Habita florestas tropicais e subtropicais, primárias e secundárias e próximas a corpos d'água. Também pode habitar áreas abertas próximas a bordas de florestas. Se refugia na vegetação densa ou na água.

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação de 7 meses. Nasce 1 filhote por gestação.

Taxonomia:

A Taxonomia do Mazama americana é incerta, pois não se sabe ao certo quantas subespécies existem ou se estas são espécies a parte.

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Cervidae;
Gênero: Mazama;
Espécie: Mazama americana (Erxleben, 1777).



















Foto: Joseph Wolf

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:PZSL1850PlateMammalia24.png




















Foto: Smithsonian Wild

https://www.flickr.com/photos/51045845@N08/5177632318




















Foto: Smithsonian Wild https://www.flickr.com/photos/smithsonianwild/5176627267

Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/29619/0 Acessado em 09/02/2015

Mattioli S. (2011). Family Cervidae (Deer). P. 441-442 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Duarte, J. M. B., Vogliotti, A., dos Santos Zanetti, E., de Oliveira, M. L., Tiepolo, L. M., Figueiredo Rodrigues, L. & Bonjorne de Almeida, L. 2012. Avaliação do Risco de Extinção do Veado-mateiro Mazama americana Erxleben, 1777, no Brasil. Biodiversidade Brasileira, Ano II (3): 33-41.

segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Veado Catingueiro

Nomes em inglês: Gray Brocket e Common Brown Brocket.

Nomes em espanhol: Corzuela Común, Cabra Silvestre, Corzuela Parda, Guazu e Guazu Virá.

Distribuição geográfica: América do Sul. Ocorre nos seguintes países: Brasil, Argentina, Bolívia, Paraguai e Uruguai.

Descrição física: O comprimento da cabeça e corpo chega até 105 cm e o da cauda 9 cm. Pode pesar até 25 kg. A altura dos ombros vai até 65 cm. Sua coloração é geralmente marrom-acinzentada. A região ventral é mais clara. Apresenta cor laranja nas ancas e na região dorsal da cauda. Os filhotes de até 3 a 4 meses de idade são manchados. Suas orelhas são arredondadas. Os machos tem um par de galhadas que não se ramificam e podem atingir até 12 cm de comprimento.

Alimentação: Herbívoro generalista. Alimenta-se de brotos, frutas, folhas e flores.

Hábitos: Tem hábitos territoriais. Vive geralmente solitário.

Habitat: Habita geralmente bordas de florestas, em vegetação arbustiva e pequenos bosques. Evita florestas densas. Também evita áreas abertas, mas pode se alimentar nelas ou ser encontrado em áreas agrícolas, desde que exista uma pequena área florestada nas proximidades. Vive tanto em ambientes secos quanto úmidos.

Predadores: Dentre seus predadores encontram-se a Onça Pintada (Panthera onca) e a Onça Parda (Puma concolor) e cachorros do mato.

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que pode durar até 220 dias. Nasce 1 filhote por gestação

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Cervidae:
Gênero: Mazama;
Espécie: Mazama gouazoubira (G. Fischer [von Waldheim], 1814).


















Foto: Joseph Wolf

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:PZSL1850PlateMammalia25.png


Referências

http://www.iucnredlist.org/details/29620/0 Acessado em 02/02/2015

Mattioli S. (2011). Family Cervidae (Deer). P. 441 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Duarte, J. M. B., Vogliotti, A., dos Santos Zanetti, E., de Oliveira, M. L., Tiepolo, L. M., Figueiredo Rodrigues, L. & Bonjorne de Almeida, L. 2012. Avaliação do Risco de Extinção do Veado-catingueiro, Mazama gouazoubira G. Fischer (von Waldheim), 1814, no Brasil. Biodiversidade Brasileira, Ano II (3): 50-58.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Veado Campeiro

Nome em inglês: Pampas Deer.

Nomes em espanhol: Ciervo Pampero, Ciervo de las Pampas, Venado Campero, Venado de Campo e Venado de las Pampas.

Distribuição geográfica: América do Sul. Ocorre na Argentina, Bolívia, Brasil, Paraguai e Uruguai. Devido a ação humana a distribuição atual do veado campeiro se restringe a manchas isoladas, sendo a maioria no Brasil.

Descrição física: Os machos pesam até 34 kg e as fêmeas até 29 kg. O comprimento da cabeça e corpo dos machos pode chegar até 120 cm e das fêmeas 90 cm. O comprimento da cauda pode chegar até 14 cm. A altura do ombro pode chegar até 70 cm nos machos e 65 nas fêmeas. O dorso tem coloração que vai do marrom amarelado ao marro avermelhado pálido. O focinho e parte superior da cauda tem a cor preta. Tem a cor branca na face interna das orelhas, lábios, pescoço, ventre e parte inferior da cauda. Também tem um círculo branco ao redor dos olhos. Os filhotes até os 3 meses de idade apresentam manchas brancas no dorso. Os machos adultos tem um par de galhadas que podem chegar até 30 cm, e  geralmente tem 3 pontas, uma de uma primeira bifurcação e as outras duas posteriores. As galhadas são trocadas anualmente, sendo que os ciclos variam conforme a região. Fêmeas e filhotes não apresentam galhadas.

Alimentação: O Veado Campeiro se alimenta de gramíneas e outros vegetais, como plantas herbáceas e arbustivas.

Hábitos: Vive em pequenos grupos que raramente passam de 6 indivíduos. Os grupos não são fixos, estes se modificando continuamente.

Habitat: Habita vários tipos de ambientes abertos, como Cerrado, Pampas e Pantanal.

Predadores: Dentre seus predadores encontra-se a Onça Pintada (Panthera onca), a Onça Parda (Puma concolor) e o Lobo Guará (Chrysocyon brachyurus). Jaguatiricas (Leopardus pardalis) e Graxains do Mato (Pseudalopex gymnocercus) também podem predar filhotes.

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que dura até 7 meses. Nasce 1 filhote por gestação.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Cervidae;
Gênero: Ozotoceros;
Espécie: Ozotoceros bezoarticus (Linnaeus, 1758);


























Ilustração: Richard Lydekker

http://commons.wikimedia.org/wiki/File:The_deer_of_all_lands_(1898)_Pampas_deer.png



Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/15803/0 Acessado em 28/01/2015

Mattioli S. (2011). Family Cervidae (Deer). P. 437 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

DUARTE, J. M. B; PIOVEZAN, U. ; ZANETTI, E. S. ; RAMOS, H. G. C. . Espécies de cervídeos brasileiros com preocupações de conservação: VEADO-CAMPEIRO (Ozotoceros bezoarticus). In: José Maurício Barbanti Duarte; Marcelo Lima Reis. (Org.). Plano de ação nacional para a conservação dos cervídeos ameaçados de extinção. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Icmbio, 2012, v. , p. 51-69.

Braga, F. G. ; Moura-Britto, M.; Margarido, T. C. C. 2000. Estudo de uma população relictual de veado-campeiro, Ozotoceros bezoarticus (Linnaeus) (Artiodactyla: Cervidae) no município da Lapa, Paraná, Brasil. Revista Brasileira de Zoologia, 17 (1): 175- 181.

Eisenberg, J. F; Redford, K. H. Mammals of the Neotropics, Volume 3 : The Central Neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. Chicago, Londres: Chicago University Press, 1999, P. 347-348.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Cervo do Pantanal

Nomes em inglês: Marsh Deer.

Nomes em espanhol: Ciervo De Los Pantanos e Ciervo Marismeño.

Distribuição geográfica: América do Sul, ocorrendo no Peru, Brasil, Bolívia, Argentina e Paraguai. Está extinto no Uruguai.

Descrição física: O Cervo do Pantanal é o maior cervídeo vivo da América do Sul. Os machos pesam entre 110 a 130 kg e as fêmeas de 70 a 100 kg. O comprimento da cabeça e corpo dos machos pode chegar até 180 cm e das fêmeas 165 cm. A cauda pode chegar até 15 Cm. A altura do ombro nos machos pode tem aproximadamente 130 cm e nas fêmeas 115 cm. Apresenta coloração marrom avermelhada pelo corpo. O ventre, parte do pescoço e o interior das orelhas são brancos. Também apresenta um anel branco em volta dos olhos. Suas pernas são longas com a porção distal negra. O seu focinho também é enegrecido. As orelhas são longas e arredondadas. Os machos apresentam um par de galhadas que podem atingir até 60 cm. As galhas são dicotomizadas a base e geralmente tem 5 pontas, podendo ter mais.

Alimentação: Tem tendência de procurar alimentos de fácil digestão. Pode se alimentar de plantas aquáticas, semi aquáticas, leguminosas, gramíneas e plantas arbustivas.

Hábitos: Vive solitário ou em pequenos grupos familiares.

Habitat: Habita zonas úmidas, como áreas sazonalmente imundadas e pantanosas.

Predadores: Dentre seus predadores encontram-se onças pintadas (Panthera onca), pumas (Puma concolor), jacarés e sucuris. Lobos Guarás (Chrysocyon brachyurus) também podem predar filhotes.

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que pode durar até 271 dias. Nasce 1 filhote.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Cervidae;
Gênero: Blastocerus;
Espécie: Blastocerus dichotomus (Illiger, 1815).


























Ilustração: Richard Lydekker https://www.flickr.com/photos/biodivlibrary/7971648260/in/set-72157631500644110























Foto: lotlhmoq https://www.flickr.com/photos/42068060@N06/7545400502/


























Foto: lotlhmoq https://www.flickr.com/photos/42068060@N06/7545399800/

Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/2828/0 Acessado em 20/01/2015

Mattioli S. (2011). Family Cervidae (Deer). P. 436 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Eisenberg, J. F; Redford, K. H. Mammals of the Neotropics, Volume 3 : The Central Neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brazil. Chicago, Londres: Chicago University Press, 1999, P. 340.

DUARTE, J. M. B; PIOVEZAN, U. ; ZANETTI, E. S. ; RAMOS, H. G. C. . Espécies de cervídeos brasileiros com preocupações de conservação: CERVO-DO-PANTANAL (Blastocerus dichotomus). In: José Maurício Barbanti Duarte; Marcelo Lima Reis. (Org.). Plano de ação nacional para a conservação dos cervídeos ameaçados de extinção. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, Icmbio, 2012, v. , p. 29-42.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Vicunha

Nomes em inglês: Vicuna, Vicuña e Vicugna.

Nome em espanhol: Vicuña.

Distribuição Geográfica: América do Sul. Ocorre no Peru, Bolívia, Chile e Argentina.

Descrição física: A Vicunha é menor que o Guanaco (Lama guanicoe). Pesa aproximadamente entre 38 a 45 Kg. O comprimento da cabeça e corpo chega entre 125 a 190 Cm e a cauda 25 cm. A altura dos ombros pode chegar até 90 cm. Apresenta coloração que vai do canela ao marrom-avermelhado dorsalmente e na cabeça, além de branco no ventre e face interna dos membros. A Vicunha tem uma tufo de pelos no peito. Sua cabeça tem forma de cunha e sua orelhas pontudas. Seus dentes incisivos tem crescimento contínuo.

Alimentação: Herbívora. Alimenta-se principalmente de gramíneas, mas também de arbustos. As Vicunhas necessitam beber água com mais frequência comparada a outros camelídeos.

Hábitos: Vive em grupos familiares compostos por um macho, fêmeas e filhotes. Também podem existir grupos de machos solteiros ou ainda machos solitários. Os grupos familiares vivem em um território.

Habitat: Habita regiões de 3.200 a 4.800 m de altitude. Vive nas províncias biogeográficas do puna e Altoandina.

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que dura aproximadamente entre 330 até 350 dias. Nasce 1 filhote por gestação. Sua reprodução é sazonal, sendo que os filhotes nascem de fevereiro a abril.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Camelida;
Tribo: Lamini;
Gênero: Vicugna;
Espécie: Vicugna vicugna (Molina, 1782).



























Ilustração: Die Säugthiere in Abbildungen nach der Natur / mit Beschreibungen von d. Johann Christian Daniel von Schreber, de Johann Christian Daniel Schreber.

Image courtesy of Biodiversity Heritage Library

 http://www.flickr.com/photos/biodivlibrary/7257686254/

http://biodiversitylibrary.org/























Foto: Brent Huffman

http://www.ultimateungulate.com/


Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/22956/0 Acessado em 15/01/2015

Franklin, W. L. (2011). Family Camelidae (Camels). P. 238 - 239 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Iriarte, A. 2008. Mamíferos de Chile. Lynx Edicions. Barcelona, Espanha, p. 212-213.

Vilá B. La importancia de la etología en la conservación y manejo de las vicuñas. Etología, Luján, v 7, p. 63-68, março/maio 1999.

sábado, 10 de janeiro de 2015

Guanaco

Nome em inglês: Guanaco.

Nome em espanhol: Guanaco.

Distribuição geográfica: América do Sul, do Peru, Bolívia, Chile, Argentina e Paraguai. Sua faixa de distribuição vai do Peru até a Terra do Fogo.

Descrição física: Pesa entre 90 a 140 kg. O comprimento da cabeça é corpo é entre 190 até 215 cm, e o cauda até 27 cm aproximadamente. A altura do ombro é de aproximadamente até 130 cm. Apresenta coloração castanha dorsalmente e lateralmente, branca no ventre e face interna dos membros e sua cabeça é escura. Não apresenta o tufo de pelos no peito como a Vicunha (Vicugna vicugna). Seu pescoço e pernas são longos.

Alimentação: Herbívoro oportunista intermediário. Alimenta-se de gramíneas e plantas arbustivas, também podendo se alimentar de líquens, fungos, cactos, flores e frutos.

Hábitos: A estrutura social do Guanaco varia, podendo viver em grupos familiares compostos por um macho, fêmeas e filhotes. Também existem grupos compostos apenas de machos ou grupos mistos, além de machos solitários. Os machos de grupos familiares são territoriais, defendendo os grupos de outros machos. Diferentes populações de Guanacos podem ser migratórias ou sedentárias.

Habitat: Pode habitar regiões ao nível do mar ou a altitudes que podem chegar a 4.500 m ou mais. Habita vários tipos de ambientes, como desertos, estepe andina, puna, pré-puna, pastagens, chaco, sul dos pampas, planícies montanhosas ou de baixa altitude.

Reprodução: As fêmeas tem uma gestação que pode durar até 360 dias. A cada gestação nasce um filhote.

Taxonomia:

Reino: Animalia;
Filo: Chordata;
Classe: Mammalia;
Ordem: Cetartiodactyla;
Família: Camelidae;
Tribo: Lamini;
Gênero: Lama;
Espécie: Lama guanicoe (P.L.S. Müller, 1776).





















Foto: Alastair Rae: https://www.flickr.com/photos/merula/153179602/


Referências:

http://www.iucnredlist.org/details/11186/0 Acessado em 10/01/2015

SCHERER, C. S. Estudos dos Camelidae (Mammalia Ardtiodactyla) do Quartenário
do Estado do Rio Grande do Sul, Brasil. 2005. Dissertação (Mestrado) - Universidade
Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

Franklin, W. L. (2011). Family Camelidae (Camels). P. 235 in: Handbook of the mammals of the world. Vol 2. Hoofed Mammals. Lynx Edicions, Barcelona.

Iriarte, A. 2008. Mamíferos de Chile. Lynx Edicions. Barcelona, Espanha, p. 208-209.

Posição Atual da Terra e da Lua

Postagens populares

Ocorreu um erro neste gadget